Esqueceu a senha? Sistema antigo
expand Área do Aluno


Publicado em 04/02/2011 por Zonaalvo Assessoria Esportiva

Diário até o Ironman: 4 amadores e um único sonho -MUNDOTRI

Além de acompanhar o dia-a-dia de dois grandes atletas da elite brasileira rumo ao Ironman Brasil 2011, Ariane Monticeli e Guilherme Mannochio, este ano trazemos mais quatro atletas amadores. São dois homens e duas mulheres, dois atletas do Ceará e dois atletas de São Paulo. Quatro atletas buscando superar o desafio de 226km em Florianópolis.

Do time do ano passado, voltamos com o grande Kleber Corrêa. Claro que não esquecemos dos demais companheiros de 2010: Wagner Araújo é nosso editor-chefe, e estará sempre presente por aqui; Yana Glaser é nossa colunista de Nutrição, sempre com ótimos artigos para o portal e para a Revista MundoTRI. Ciro Violin também é colunista de nossa revista, talvez o mais direto e objetivo de todo o esporte brasileiro.

Vamos aos nossos estreantes (não no Triathlon, mas no Diário!):  Ana Oliva, de São Paulo, foi a melhor brasileira e melhor amadora no Ironman Brasil 2010, além da melhor brasileira em Kona no ano passado. Do Ceará, estado com um dos maiores contingentes de triatletas do país, temos dois grandes nomes, ambos rumo ao segundo Ironman: Carolina Militão e Rodrigo Cantal. Todos eles só visam uma coisa: a linha de chegada no dia 29 de maio de 2011. Até lá, você vai acompanhar no MundoTRI todos os desafios e alegrias dessa jornada maravilhosa. Em 2012, pode ser você aqui!

Carolina Militão

Sou estudante de Nutrição me especializando em Nutrição e Fisiologia do Exercício. Considero-me uma pessoa muito determinada e perfeccionista, o que me fez ter o triathlon como um estilo de vida, uma das minhas paixões. No início, não foi nada fácil encarar essa vida esportiva, até pelo fato de ser muita nova, onde outras coisas completamente diferentes predominavam em minha vida. Tanto família quanto amigos me recriminavam, mas não dava ouvidos a isso. Agora, depois de provar para muitos que é possível, essa recriminação passou a ser admiração e apoio, pois sabem que eu faço tudo isso por amor a esse esporte. O melhor de tudo é saber que sirvo de inspiração para alguns, não por ser triatleta, mas por ter uma vida saudável, diferente do dia-a-dia da minha geração.

iron revelar 2 520x347 Diário até o Ironman: 4 amadores e um único sonhoCarol Militão

Entrei na vida esportiva com 16 anos começando apenas com corrida de rua. O problema é que essas corridas de rua foram aumentando de 5km para 10km e 21km, mas como nunca tive vontade de fazer uma maratona então o meu objetivo era sempre baixar meus tempos em meia maratona. Nesse meio tempo, sempre gostei e admirei o Triathlon, assistindo provas, lendo revistas etc. Então, depois de 4 anos sendo corredora resolvi comprar uma bicicleta, encaixei treinos de ciclismo e natação por minha própria conta, até o dia que procurei uma assessoria especializada (Zonaalvo) e me tornei triatleta.

Como a maioria dos triatletas, também comecei com competições progressivas: sprints, diversos, olímpicos e meio ironmans, sempre com um sonho de fazer um Ironman. Foram três anos de diversos objetivos conquistados até o dia no qual meu treinador, Rafael Leitão, me chamou para assistir o IRONMAN BRASIL. O melhor que esse convite foi um “assista essa prova, vale a pena! Em 2010 você tem condição de fazer“. Dito e feito! Em 2009 assisti e assim que abriram as inscrições eu estava escrita para o Ironman Brasil 2010.

O sonho estava apenas começando, pois sabia que teria uma longa caminhada até a conclusão da prova, me tornando uma IronWoman. E assim começou a jornada desse sonho… Conciliar trabalho, estudos, família e amigos com os treinos. O importante é que estava disposta a abdicar de várias coisas em busca desse mérito. Consequentemente, depois de cinco meses de treinos específicos e ininterruptos, chegara o GRANDE DIA: Ironman Brasil 2010.

Meu objetivo era finalizar a prova e me tornar uma Ironwoman. E assim aconteceu! Agora estou em busca do mesmo sonho pela segunda vez. Sei que é a mesma prova de fato, mas cada prova tem a sua forma especial de acontecer, girando em torno dos treinamentos e do momento de cada pessoa. Os treinos estão apenas começando, com altos e baixos, onde cabe a nós atletas ter consciência, coragem e determinação para encarar esse ritmo de vida por um tempo. A recompensa vem quando se cruza a mais sonhada linha de chegada. E assim começa o ano dessa pretensa triatleta em busca de mais uma conquista.

Carolina Militão.

Kleber Corrêa

Tenho 32 anos, nasci em São Paulo no dia 14/02/1978, hoje resido em Cotia e tenho como profissão a advocacia, embora muitas vezes costume brincar dizendo que sou “meio advogado e meio triatleta”, em virtude do tempo que costumo dedicar aos treinos.

Iniciei no triathlon em dezembro de 2007, embora tenha contato com o esporte desde o início dos anos 90, quando por muitas vezes acompanhei fascinado as etapas do Troféu Brasil e Internacional de Santos.

Bike Diário até o Ironman: 4 amadores e um único sonhoKleber Corrêa

De dezembro de 2007 para cá, participei de poucas provas de triathlon, foram apenas 08, e entre essas participei de 03 Irons Brasil – 2008, 2009 e 2010, e aliás, essa é a distância que mais me atrai, não apenas pela magia que acompanha os triatletas durante a prova, mas principalmente pelas dificuldades que a prova proporciona.

A prova de Ironman nos transmite vários sonhos, e esses sonhos acabam virando objetivos, e foi assim que encarei cada uma das minhas três participações no Ironman Brasil, e que certamente irei encarar a prova de 2011.

E falando em sonhos e objetivos, para 2011, assim como nos outros Irons que participei, o principal objetivo será curtir cada km da prova com um sorriso estampado no rosto, mas lógico que tenho objetivos mais ousados.

Em 2010 tive como meta terminar cruzar o pórtico de chegada abaixo das 10:00horas de provas, e alcancei o meu objetivo, fechei Ironman 2010 em 9:46hs, e essa foi a minha maior realização nesses poucos anos de triathlon.

Já para 2011, o meu principal objetivo será cruzar o pórtico abaixo das 9:30hs de prova, acho uma meta ousada, pois sei que em 2010 estive bem próximo do meu limite, mas gosto de grandes desafios, e é por isso que sou fanático por essa distância.

Muitos amigos costumam perguntar se vou brigar por uma vaga em Kona, e mesmo admitindo que esse é o meu grande sonho dentro do Ironman, estou em uma categoria ingrata, a 30-34, e ao meu lado estarão grandes nomes do triathlon “amador” com condições bem mais claras de conquistar o direito de disputar o mundial.

A preparação para o Iron 2011 começou de forma mais intensa que a de 2010, e na última semana já passei por alguns testes que serão repetidos nas proximidades da provas.

Na 3ª feira fiz um teste de 30 minutos de natação, na 4ª foi dia de um sofrido teste de 10km, que aliás resultou no meu melhor tempo nessa distância, na 5ª feira o teste foi de 30km de pedal, e fechando a semana de testes, no sábado foi dia de um conjugado de bike e corrida, com distância de 60km de pedal e 12km de corrida. O resultado desses testes, nesse momento, não importa muito, o mais difícil foi conseguir chegar ao final e com uma enorme satisfação por ter completado esse período de treinos.

Nas próximas semana muitas novidades surgirão, e embora possa não parecer, a participação em uma prova de Ironman exige um enorme planejamento, e não apenas em termos de treino, mas em tudo o que envolve a vida pessoal de um atleta que se dispõe em encarar esse desafio.

Kleber Corrêa – Twitter: @klebercorrea – Equipe: 5ways – Apoio: Aqua Sphere – Mynd Sportswear

Ana Oliva

Já pratiquei muitos esportes diferentes em minha vida. Desde pequena, eu já adorava toda e qualquer modalidade (risos). Fiz ginástica olímpica, handball, tênis, squash, equitação, mergulho, natação, capoeira, jazz, sapateado etc. Cheguei a correr uma maratona. Enfim, seja clássica ou radical, individual ou coletiva, a atividade esportiva sempre fez parte do meu dia-a-dia, proporcionando lazer, diversão, qualidade de vida, auto-conhecimento e saúde.

Triathlon? Para mim é muito mais que um esporte… É um estilo de vida!!

Na verdade, eu tinha um sonho infantil de fazer Triathlon. Quando pequena, olhava pela janela do carro aquelas pessoas pedalando na estrada e achava o máximo!

60391 259 035f 520x347 Diário até o Ironman: 4 amadores e um único sonhoAna Oliva no Havaí

Na época em que eu treinava natação, ouvi pela primeira vez a palavra “Triathlon”: o técnico chamou alguns meninos para começarem um treinamento básico com foco em alguma provinha e lembro que fiquei extremamente frustrada por não ter sido incluída na turma. Isso passou e nunca mais pensei no assunto.

Em 2005, comecei a correr com um grupo em São Paulo. Após correr minha primeira e única maratona (na época era meu objetivo), em 2006, pensei : “e agora? O que vou fazer?” O único pensamento que veio em minha mente foi “Triathlon”. Comprei uma bike, pedalei umas 3 vezes e fui para uma prova de short em Santos. Pura diversão! Parecia uma criança em gincana de colégio. Apaixonei pelo Triathlon!

Em 2007, fiz um olímpico e mais um ou dois shorts. Em 2008, consegui encaixar uma rotina de treinos e fiz meu primeiro meio ironman.

Em 2009, vieram alguns bons resultados como uma bela participação no mundial de Ironman 70.3, em Clearwater (EUA), prova em que marquei 4h35´. Logo em seguida, achei que deveria tentar o Ironman… um sonho!!!

Quanto às expectativas para a prova, eu brincava que era “sobrevivência”. Como nunca tinha feito, não tinha idéia do que poderia acontecer. É óbvio que eu fazia as minhas contas, que queria fazer uma boa prova, mas realmente não imaginava que poderia fazer o que fiz. Se eu conseguisse quebrar as 11 horas, estaria feliz! Se eu não conseguisse, e apenas terminasse, acho que também estaria feliz!

Internamente, porém, eu sabia o que eu mais queria… Eu sentia… Existia um desejo… Uma meta… Um sonho muito maior… Mas, não podia ter a pretensão de conquistá-lo em uma primeira tentativa, em meu primeiro Ironman.

Após um bom dia em Floripa 2010, me classifiquei para o Havaí. (Obs.: Ana foi a melhor brasileira na prova e a melhor amadora)

Hoje tenho total consciência que o sonho de ir para Kona sempre existiu dentro de mim. Desde um pouco antes de iniciar no Triathlon.

Em outubro passado participei desse evento, o “pai” de todos os Triathlonsa no mundo, e fiquei muito, mas muito feliz com a minha conquista! O simples fato de poder largar e completar a prova já era algo indescritível! Estava morrendo de medo. Medo do clima, do vento, das variáveis incontroláveis. Medo de não conseguir terminar. Respeitei a prova, respeita a ilha, e fiquei extremamente satisfeita com meus resultados e com a classificação de melhor brasileira do dia.

2011? Meus objetivos?

Af! (risos) tenho um loooooooongo e duro caminho pela frente!

Estou focada. Vou me dedicar e dar meu máximo, pois quero orrer atrás do meu sonho. Vou literalmente suar a camisa para tentar a classificação em Florianópolis e largar novamente na prova única e mágica do Havaí em 2011]!

Difícil? Sim. Impossível? Não, pois “anything is possible”.

Ana Oliva.

Rodrigo Cantal

Sou o Rodrigo Figueiredo Cantal, nascido em Niterói-RJ mas criado desde os 5 anos de idade em Fortaleza-CE. Tenho 32 anos, sou casado com a Carol, pai de duas filhas (Maria Eduarda 4 anos e Anna Clara de 6 meses), sou formado em Administração de Empresas, trabalho com meu pai em um escritório de representação e importação de produtos siderúrgicos (ferro e aço) e tenho um lava-rápido para automóveis.

Depois de ter sido um atleta de futsal no colégio a vida toda e ser bem magro devido a isso, a partir dos meus 16 anos, época que comecei a sair e beber, comecei a engordar muito. No final de 1998, já com quase 20 anos me peguei com 104Kg. Decidi então entrar para os Vigilantes do Peso e em 6 meses perdi 21 quilos. Depois de 2 anos em um efeito sanfona indo de 83Kg a 90kg e voltando, resolvi contratar um personal para musculação e começar a correr na Beira-Mar daqui de Fortaleza. A partir daí, o bicho do esporte realmente me pegou.

Família 520x347 Diário até o Ironman: 4 amadores e um único sonhoRodrigo e sua família

Passei quase 6 anos malhando e correndo quase diariamente os 6km da nossa Beira-Mar. Foi quando, em 2006, minha irmã que estava se preparando para a Meia do Rio de Janeiro chegou com a minha inscrição feita a menos de dois meses da prova. Encarei e treinei sozinho durante 1 mês e meio para completar a minha primeira prova mais longa em agosto de 2006, com 02 horas e 06 minutos nos 21km.

Mesmo depois dessa prova o máximo que continuava correndo eram 10Km para não “secar muito”, já que era rato de academia e achava que bonito era ter braço forte (risos). Em 2008, resolvi entrar para minha atual equipe de assessoria para completar a Meia do Rio em um tempo relativamente bom. Em outubro de 2008 fiz a prova em 1 hora e 43 minutos.

Desse ponto, foi um pulo para o triathlon, já que minha assessoria esportiva também dispunha deste serviço e eu tinha vários amigos que me pressionavam para esta mudança. Em janeiro de 2009 adquiri uma Kuota K-Factor usada, tamanho 54. Desde o início minha natação foi o meu calcanhar de aquíles, tenho muita força, mas até hoje em dia me esforço para concentrar e acertar os movimentos.

Depois do início foi amor à primeira pedalada. Quando percebi, minha vida estava totalmente mudada devido a esse novo amor. As baladas reduzidas, bebidas mais ainda, suplementos, fisioterapia, massagens e principalmente treinos, muitos treinos. A maioria esmagadora deles pela manhã, fazendo com que eu mudasse a rotina de dormir sempre depois da meia-noite.

Já fiz 5 provas de Triathlon olímpico aqui no Ceará, sendo 3 em 2009, quando fui campeão cearense da categoria. Disputei também dois Brasileiros de Longa Distância também aqui no Ceará , em 2009 e 2010. O primeiro, terminei com 06 horas e 28 minutos e o segundo com 06 horas e 18 minutos (pense numa prova sofrida, será essa aqui no Cumbuco). também já completei dois Ironman 70.3 em Penha-SC, sendo o primeiro m 05 horas e 18 minutos, em 2009; e o segundo pra 05 horas e 29 minutos em 2010. Também estive no Long Distance de Pirassununga em 2009, feito em 04 horas e 58 minutos e no IRONMAN BRASIL DE 2010, onde terminei para 11 horas e 07 minutos. Esse é meu breve currículo no Triathlon.

Para 2010 estão programadas todas as etapas de olímpico e sprint do Campeonato Cearense, mais um Brasileiro de Longa Distância em Fortaleza, o IRONMAN BRASIL e o Ironman 70.3 de Miami em outubro.

Quanto às dificuldades iniciais deste ano, já tenho as dores nas costas, joelho direito, tendão do tornozelo direito e ombro esquerdo. Por isso estou fazendo muita fisioterapia. Também estou sem bike, pois vendi a antiga e a nova não chegou. Logo, terei que treinar um mês com uma emprestada. Para completar, estou montando um restaurante que tem me tirado muito sono, tempo e disposição para os treinamentos. Mas esse é o espírito. Quero já agradecer a todos que nos acompanharão e solicitar o apoio dos meus pais, da minha mulher, das minhas filhas, da minha família e dos meus amigos e colegas para mais esse desafio a ser superado.

Forte abraço!

Rodrigo Cantal.

Compartilhe

Deixe o seu comentário

Highslide for Wordpress Plugin