Esqueceu a senha? Sistema antigo
expand Área do Aluno


Publicado em 23/03/2008 por Zonaalvo Assessoria Esportiva

Como se vestir para a aventura

Cansado de informação superficial ou incorreta sendo divulgada durante anos, o documentarista Márcio Bortolusso, colunista do ativo.com, produziu um artigo esclarecedor e de fácil compreensão sobre vestuário para Atividades ao Ar Livre, buscando ser ao mesmo tempo preciso, objetivo e abrangente

Se para um profissional por vezes é difícil escolher o que vestir em uma aventura, imagina para quem está começando? Independente se você vai escalar na isolada Groelândia ou passear com a família em Bonito, pode apostar que parte do sucesso de sua viagem dependerá da roupa que você irá usar.

Acredite, da mesma forma que por estar com as roupas adequadas realizei com prazer atividades em condições extremas nos Alpes ou na Patagonia, por outro lado, também já vivenciei situações de alto risco ou grande desconforto em simples caminhadas pela Serra do Mar, apenas pela falta de vestuário apropriado.

Para decidir qual a roupa ideal é preciso conhecer o básico sobre os materiais utilizados na confecção das peças e as principais tecnologias do mercado, para um balanço entre os prós e os contras de cada produto.

Com estas informações, explicarei de forma simplificada o famoso Sistema de Camadas, para então dar dicas valiosas na hora de escolher a melhor roupa para a sua aventura.

Os principais materiais

Dentre os materiais mais utilizados nas roupas para Aventura estão as revolucionárias fibras sintéticas e os biodegradáveis algodão, seda, lã, pluma e mais recentemente o bambu, cada qual com suas propriedades e recomendações de uso.

Uma das maiores inovações da indústria têxtil foi a criação dos tecidos sintéticos, puros ou mesclados com outros materiais (os bi-componentes), produzidos com micro-filamentos à base de polímeros sintéticos de poliéster, poliacrílico, polipropileno e náilon (poliamida).

Existem 3 tipos de fibras sintéticas, a celulósica (rayon, acetato, viscose), a plástica (em geral do petróleo, como o poliéster) e a mineral (raramente usada na indústria têxtil). Em geral, os sintéticos apresentam várias vantagens em relação aos tecidos naturais, especialmente quando combinados ou submetidos à modernas tecnologias: excelente capacidade térmica, secagem rápida, pouco volume, alta resistência, conforto e fácil lavagem.

Alguns sintéticos, além de não ficarem carregados com a água do suor, pesam metade do peso da lã e possuem excelente desempenho no transporte do suor para o exterior do tecido. Assim como a lã, já existem até fibras sintéticas que mantém as suas características de isolamento térmico mesmo quando molhadas.

As desvantagens dos sintéticos variam de tecidos para tecidos, por exemplo: alguns criam mais pilling (as famosas bolinhas que se formam em algumas roupas) que o tradicional algodão. A ciência avança, mas em geral os sintéticos ainda não alcançaram o conforto do algodão e o poder térmico da pluma e da lã.

O algodão ainda se mantém como um dos materiais mais confortáveis, relativamente leve e fácil de lavar. Além de ventilar razoavelmente bem, quando molhado em dias quentes ajuda o corpo a se resfriar com a água que evapora. Porém o seu uso não é recomendado para atividades físicas, principalmente como Camada Interna, pois ele absorve em suas fibras o suor e pode até mesmo multiplicar o seu peso com a umidade. Quando encharcado, perde a suas propriedades térmicas e demora a secar, esfriando o corpo e tornando-se desconfortável.

Apesar de absorver muita água, a seda seca rápido. Bastante leve e confortável, em dias quentes ajuda a esfriar a pele através da evaporação e, em dias frios, mantém o corpo seco e aquecido. As fibras produzidas pelas lagartas da seda possuem grande resistência, mas perdem em durabilidade para os tecidos sintéticos.

Já a lã possui uma ótima capacidade térmica, produzindo calor mesmo quando molhada, pois as suas fibras não se deformam quando encharcadas, conservando as micro-câmaras de ar de sua estrutura. Além de possuir baixa retenção de suor em suas fibras, mantendo-se confortável mesmo com a umidade das atividades físicas, requer pouco calor para secar. A lã ainda possui uma ótima capacidade de retorno à sua forma original, mesmo após uso excessivo. Como principal desvantagem, apresenta maior volume e peso que os tecidos sintéticos.

Agora em se tratando de isolamento de calor e capacidade de compressão nada se compara à pluma (ou duvet, down, pena de ganso…) com suas excepcionais qualidades térmicas e poder de retorno. Bem cuidadas, tem vida útil superior às fibras sintéticas. Só não pode molhar… uma peça de pluma molhada não servirá para nada no frio, ficará pesada e será difícil de secar. Também são mais difíceis de lavar. Mas com certeza os contras da pluma são o seu custo e a tortura com os pobres gansos. É, caso não saiba, as melhores plumas do mercado (como as endem, de origem alemã) são arrancadas na marra do papo das aves. Para cada 300 gramas de plumagem são necessárias cinco -depenadas- por ano! Além de tão caras, nenhuma aventura compensa tamanha maldade.

A cada dia que passa, ouvimos falar de alternativas verdes, ou menos impactantes. Afinal, nenhum processo de fabricação industrial, para atender a demanda mundial de produtos (alimentos, bens domésticos, transportes, etc), consegue ser 100 % ecológico. Evoluindo a cada dia, encontramos o algodão biológico e fibras naturais produzidas com algas ou cânhamo, vantajosas em sustentabilidade ambiental quando comparadas às culturas de pinus, acácia e eucalipto, mas infelizmente incipientes para dar conta da demanda global.

Na vanguarda da revolução têxtil, principalmente quando falamos de produtos ecológicos, apresentam-se as 100% biodegradáveis fibras de bambu. Segundo os especialistas em consumo sustentável, diante dos processos de produção têxteis tradicionais – que consomem elevadas taxas de água e energia, ameaçam os lençóis freáticos com os seus dejetos químicos ou necessitam de grandes áreas de plantio – o bambu ganha espaço por sua versatilidade, competitividade e por ser uma ótima alternativa para a nossa dependência das monoculturas florestais: não necessita de pesticidas em sua produção, seu crescimento é muito rápido (atinge sua maturidade em 3 anos), sua propagação é espontânea (dispensa plantio na mesma área por 100 anos e se renova sem a necessidade de replantio), é pouco exigente quanto aos tipos de solo e clima, gera mais oxigênio que as árvores de mesmo porte e ainda favorece a fixação do homem no campo, ao contrário do pinus que possui ciclos de plantio e corte de até 20 anos.

Com cerca de 1.250 espécies, o bambu ainda apresenta outra grande vantagem, além de não amassar e oferecer alta maciez e sensação de frescor (possui boa absorção da umidade e apresenta até 2 graus a menos durante o uso, comparado com outros tecidos), ainda por cima possui bioagentes naturais anti-raios-ultravioleta e anti-bactéria (o bamboo kun) que se mantém ainda ativos na estrutura molecular das fibras após a sua produção (segundo cientistas japoneses, mesmo após 50 lavagens e sol contínuo).

Resultado: roupas que ajudam a proteger o usuário dos raios nocivos do sol e sem o desagradável odor do suor, com óbvia economia de água e energia e a possibilidade de viajar com menos peso e volume na mochila (menos roupas para mais dias). Mas cuidado, nem toda peça de bambu possui tais propriedades ou com tais níveis de eficiência, daí a necessidade de buscar marcas confiáveis (qualificadas e preocupadas com fabricação com poluição minimizada), algo mais difícil de encontrar nas grandes redes varejistas. Afinal, nem todos os produtos de bambu comercializados são ecológicos, alguns inclusive geram mais impacto nos processos de produção que as danosas culturas de pinus e eucalipto.

Márcio Bortolusso, que assina este artigo, é montanhista e documentarista da PHOTOVERDE® Produções (photoverde.com.br).

Na próxima semana, Márcio Bortolusso falará sobre as tecnologias disponíveis.

Compartilhe

Deixe o seu comentário

Highslide for Wordpress Plugin