Esqueceu a senha? Sistema antigo
expand Área do Aluno


Publicado em 18/09/2007 por Zonaalvo Assessoria Esportiva

Ansiedade pré, durante e pós-competição: o que fazer?

“Só de pensar no dia da prova já me dá dor de barriga”, assim dizia um atleta que atendi fazendo sua preparação psicológica para o Ironman. Só a idéia de estar lá na largada, com aqueles atletas todos ao seu redor, ouvindo a contagem regressiva, você já respira fundo e pensa “Será que vou conseguir?”.

Imaginar o momento da largada, a prova em si e até mesmo a chegada pode ser muito motivador, afinal, é para isso tudo que você está treinando todo Santo dia, acordando cedo, suando tudo o que tem direito e mais um pouco. Ao mesmo tempo alguns “medinhos” começam a aparecer e a ansiedade dá os primeiros sinais de existência.

E se chover? E se estiver ventando? E se estiver frio? E se estiver calor? E se eu cair? E se eu desidratar? E se eu não conseguir? E se eu conseguir??? Tantas incertezas que só terminam na linha de chegada. Não dá mesmo para prever o que realmente vai acontecer no dia da prova, mas, certamente é possível se preparar para o dia fatídico!

Hoje em dia, quando se fala em treinamento já se sabe que não basta seguir a planilha, deve alimentar-se direito, descansar, ter um bom equipamento e preparar também a cabeça para manter a motivação, a concentração e a calma para ir confiante.

Durante muito tempo as pessoas achavam que para se consultar com um psicólogo tinha que estar louca, ou já no “fundo do poço”. Pois a psicologia evoluiu e, melhor ainda, a psicologia do esporte evoluiu. Aquela coisa de entrar no consultório e deitar-se no divã se transformou em algo muito mais dinâmico e ativo, e também funcional. Sem desmerecer aqueles que ainda trabalham no divã, talvez para esportistas trabalhar de maneira um pouco mais dinâmica fique muito mais interessante.

A preparação psicológica deve fazer parte de todo o treinamento. Não adianta muito aparecer no consultório do psicólogo uma semana antes da prova e esperar que ele faça milagres por você. É como querer correr uma maratona e começar a treinar uma semana antes!

Procure, desde o inicio do treinamento, um bom profissional, com experiência e que esteja sempre se atualizando no que há de mais eficiente em técnicas mentais para preparação psicológica de esportistas. Diversas pesquisas podem ser encontradas abordando o tema e mostrando os resultados do uso de algumas destas técnicas no treinamento. Cumming e Hall (2002), por exemplo, pesquisaram o uso de mentalização em esportistas recreacionais, provinciais e nacionais. Segundo os autores, os esportistas nacionais acham a mentalização mais relevante que os esportistas recreacionais. Os autores também descobriram que os atletas de maior nível (provinciais e nacionais) usam mais mentalização em uma semana e ficam mais horas totais praticando mentalização que os recreacionais.

O treinamento mental para preparar-se para uma competição pode envolver técnicas como mentalização, relaxamento e até hipnose. As possibilidades são muitas, e a técnica mais adequada é aquela que melhor funciona para o atleta.

Geralmente, a ansiedade aparece por alguma insegurança, que pode ser normal, apenas na forma de “ativação” (você não quer ir para uma competição TOTALMENTE relaxado, não é?), ou pode ser mais intensa, como um medo ou talvez até um certo pânico.

Algumas coisas simples podem ser feitas para que esta ansiedade diminua e você consiga manter-se concentrado e tranqüilo antes, durante e até depois da competição.

1) Estabeleça um objetivo para a prova possível e ao mesmo tempo motivador;
2) Focalize não apenas resultados, mas como você quer fazer essa prova (características físicas e psicológicas);
3) Visualize você fazendo a prova com essas características e alcançando seu objetivo;
4) Faça essa mentalização apenas o número de vezes necessário para mantê-lo motivado;
5) Confie em você mesmo, e no dia da prova faça tudo o que você sempre faz nos dias de treinamento (o que você come, seus rituais de treino, roupas confortáveis, etc.);
6) E, finalmente, caso você não obtenha o resultado desejado, analise a prova com olhos de observador: o que você fez certo, o que não deu muito certo, e o que pode melhorar e mudar para a próxima vez. Lembre-se: se o que você está fazendo não está dando certo, faça algo diferente!

Um abraço para todos e bons treinos físicos e mentais!

Daniela Schramm Szenészi, que assina esta coluna, é psicóloga formada pela Universidade Federal de Santa Catarina, com Mestrado também pela UFSC com a dissertação “Hipnose em triatletas: percepção das características da visualização da prova Ironman e seus aspectos psicofisiológicos”. Daniela está escrevendo uma monografia para a especialização em Fisiologia do Esporte na UFSC sobre estresse em triatletas. Também tem experiência no atendimento em consultório de atletas profissionais e amadores, como a bicampeã mundial de bodyboard, Soraia Rocha, e o hexacampeão mundial da mesma modalidade, Guilherme Tâmega. Atua também como consultora de equipes (Mormaii, Floripairon) e clubes, além de ministrar palestras sobre Psicologia do Esporte, com trabalhos publicados nesta área em diversos Congressos e Publicações especializadas.
daniela.psiesporte@gmail.com

Compartilhe

Deixe o seu comentário

Highslide for Wordpress Plugin